segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Como eu manipulava os médicos para consumir

Este post contém detalhes exactos de como eu fazia para conseguir receitas de valium e outros medicamentos sedativos que usava para misturar com álcool.
Não desejo que ninguém se aproveite do post para caír nessa tentação, uma vez que estamos a falar de drogas que, quando misturadas com outras, podem produzir um vicio muito dificil de saír.

Então é assim, eu estou em tratamento no centro de atendimento ao toxicodependente, um lugar que não passa informações absolutamente nenhumas para outros estabelecimentos de saúde, e portanto eu aproveitei-me desse fato para entrar em estabelecimentos de saúde tais como: Urgências, médico de familia e etc...

Primeiro entrei no médico de familia a dizer que me sentia muito ansioso pois o medicamento que me receitavam no cat tinha acabado e eu precisava dele urgentemente para acalmar a minha ansiedade (E realmente até que precisava), ele acabou por me dar o medicamento...
O problema aqui é que ele descobriu que o medicamento foi usado para misturar com álcool e foi aí que ele decidiu não me passar mais receitas (nem hoje que sou maior de idade ele me passa).

Mas aí eu lembrei-me:

Ele deixou de me receitar o medicamento mas não impediu os outros médicos de mo passar, nem tão pouco deixou algo escrito sobre o acontecido.

E aí entrei na consulta aberta.
Tive de escolher o fim de semana que é um dia em que o médico de familia não está , para que eles não me enviassem de volta para o meu médico e eu fosse rejeitado...
Tive de calcular tudo e então na primeira vez que lá fui comecei com a seguinte conversa fácil:

Eu estive na escola longe a semana toda e não pude me dirigir até ao meu médico durante a semana, e como estou muito ansioso sem o medicamento que ele me passava, decidi vir até aqui pedi-lo...

Os médicos simplesmente me perguntavam qual era o nome do medicamento e passavam-mo sem problemas.

Nas urgências...
Nas urgências era muito mais fácil, eu chegava lá a dizer que estava em uma crise de ansiedade e pedia ajuda para esse problema.
Eles passavam-me o novo medicamento (foi aí que eu passei a tolerar medicamentos mais fortes) e eu levava para casa.
Na semana seguinte voltava lá a dizer que não resultou, eles passavam-me outro... sempre assim

Sem comentários:

Enviar um comentário